quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Série de entrevistas: Bolsa Família (parte 3 de 5)

por Rodrigo Szymanski e Davi Carrer
 - cocalcomunitario@gmail.com

Cocal Comunitário: Sabemos que hoje o Bolsa Família é um dos maiores programas de distribuição de renda. O que é o programa Bolsa Família?

Gestora Municipal do Programa Bolsa Família, Maria Ziani Hoffman Miottello: O Bolsa Família é um programa de transferência direta de renda que beneficia famílias em situação de pobreza e de extrema pobreza em todo o país. O Bolsa Família integra o Plano Brasil Sem Miséria, que tem como foco de atuação os milhões de brasileiros com renda familiar per capita inferior a R$ 77 e R$ 153,00 mensais e está baseado na garantia de renda, inclusão produtiva e no acesso aos serviços públicos.

O Bolsa Família possui três eixos principais: a transferência de renda promove o alívio imediato da pobreza; as condicionalidades reforçam o acesso a direitos sociais básicos nas áreas de educação, saúde e assistência social; e as ações e programas complementares objetivam o desenvolvimento das famílias, de modo que os beneficiários consigam superar a situação de vulnerabilidade.

Cocal Comunitário: A gestão do programa se dá pela administração municipal, como acontece esta gestão?

Ziani : O prefeito através de um documento (FICUS-E) disponibilizado pela Caixa Econômica Federal e um ofício carimbado e assinado pelo mesmo encaminha para o Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome – MDS a designação de um(a) funcionário(a) preferencialmente efetivo para que assuma a função de gestor(a) do Programa Bolsa Família municipal. Após designado o gestor(a) é capacitado e faz toda parte de gestão do programa. A designação é feita nos termos da Portaria GM/MDS nº 246, de 20 de maio de 2005.

Atribuição da Gestão:

· Assumir a interlocução entre a prefeitura, o MDS e o estado para a implementação do Bolsa Família e do Cadastro Único. Por isso, o Gestor deve ter poder de decisão, de mobilização de outras instituições e de articulação entre as áreas envolvidas na operação do Programa;

· Coordenar a relação entre as secretarias de assistência social, educação e saúde para o acompanhamento dos beneficiários do Bolsa Família e a verificação das condicionalidades;

· Coordenar a execução dos recursos transferidos pelo governo federal para o Programa Bolsa Família nos municípios. Esses recursos estão sendo transferidos do Fundo Nacional de Assistência Social aos fundos de assistência municipal. Assim, o Gestor Municipal do Bolsa Família será o responsável pela aplicação dos recursos financeiros do Programa - poderá decidir se o recurso será investido na contratação de pessoal, na capacitação da equipe, na compra de materiais que ajudem no trabalho de manutenção dos dados dos beneficiários locais, dentre outros;

· Assumir a interlocução, em nome do município, com os membros da Instância de Controle Social do município, garantindo a eles o acompanhamento e a fiscalização das ações do Programa na comunidade;

· Coordenar a interlocução com outras secretarias e órgãos vinculados ao próprio governo municipal, do estado e do Governo Federal e, ainda, com entidades não governamentais, com o objetivo de facilitar a implementação de programas complementares para as famílias beneficiárias do Bolsa Família.

Mercado tem carência de profissionais em Gastronomia

por Davi Carrer
 - cocalcomunitario@gmail.com

Formar profissionais aptos a gerenciar e atuar em empreendimentos gastronômicos. Esse é o principal objetivo da pós-graduação em Gastronomia da Unesc, que está com as últimas vagas disponíveis. A especialização irá aplicar conceitos e técnicas da cozinha nacional e internacional, com 12 módulos teórico/práticos realizados no laboratório de técnica dietética da Universidade.

“A gastronomia é um universo pouco explorado, tento em vista a falta de mão obra especializada. O profissional pode montar o seu negócio, prestar consultoria ou serviços diversos, atuando em restaurantes, bares, padarias, empresas de alimentos, comércio de bebidas, entre outros. Dentro desse contexto, a pós contribui para a qualificação profissional, trazendo impacto positivo no setor de gastronomia da região”, comenta o coordenador do curso, Marco Antonio da Silva.

Além da base prática em culinária, a especialização oferece disciplinas na área de gestão, como plano de negócios, marketing, compras, gerenciamento de cardápios, logísticas diversas, entre outros.

Mercado de trabalho

Silva acredita que o mercado para o profissional em gastronomia está em ascensão no estado. “Em Santa Catarina, nos ambientes turísticos, como Florianópolis e o litoral de Itajaí até a divisa com o Paraná, o setor gastronômico tende a se desenvolver cada vez mais. Restaurantes e pousadas, pequenos e grandes negócios estão surgindo e como muitos desses empreendimentos não tem mão de obra especializada, o profissional poderá contribuir de forma decisiva para o sucesso destas empresas”, ressalta.

O coordenador afirma ainda que em Criciúma, a área é escassa. “Há grandes possibilidades de desenvolver empreendimentos, já que a gastronomia vem criando uma identidade regional. O conhecimento adquirido pela especialização é fundamental para a implantação de negócios e serviços eficientes, lucrativos e diferenciados”, comenta.

O curso tem carga horária de 360 horas e 1 ano e meio de duração. As inscrições podem ser realizadas no Setor de Pós-Graduação da Unesc, na sala 1 do Bloco P, no campus. Mais informações pelo e-mail pos@unesc.net ou pelo telefone (48) 3431-2626.

(Colaboração: Secom Unesc)

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Série de entrevistas: Bolsa Família (parte 2 de 5)

por Rodrigo Szymanski e Davi Carrer 
- cocalcomunitario@gmail.com

Antes de falarmos do Programa Bolsa Família é importante entender o Cadastro Único.

O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, entendidas como aquelas que têm renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa; ou renda mensal total de até três salários mínimos.

O Cadastro Único permite conhecer a realidade socioeconômica dessas famílias, trazendo informações de todo o núcleo familiar, das características do domicílio, das formas de acesso a serviços públicos essenciais e, também, dados de cada um dos componentes da família.

O Governo Federal, por meio de um sistema informatizado, consolida os dados coletados no Cadastro Único. A partir daí, o poder público pode formular e implementar políticas específicas, que contribuem para a redução das vulnerabilidades sociais a que essas famílias estão expostas.

O Cadastro Único é coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), devendo ser obrigatoriamente utilizado para seleção de beneficiários de programas sociais do Governo Federal, como o Bolsa Família.

O Cadastro Único é auto declaratório e o Responsável Familiar assina pelas informações prestadas na hora da entrevista, ficando ciente que: em caso de omissão de informações ele poderá responder judicialmente. A cada ano o governo federal faz cruzamento de dados com Inss, Ministério do Trabalho e outros órgãos para averiguações de possíveis irregularidades e manda um relatório ao município para que faça averiguação. Diante do relatório o município através de um Assistente Social juntamente com o Conselho Municipal DE Assistência Social, instância fiscalizadora no programa Bolsa Família no município faz as devidas averiguações e responde ao Ministério do Desenvolvimento Social a veracidade das informações obtidas no cruzamento de dados.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Série de entrevistas: Bolsa Família (parte 1 de 5)

por Rodrigo Szymanski e Davi Carrer
 - cocalcomunitario@gmail.com

No final de 2014 o site Cocal Comunitário realizou uma entrevista com a Secretaria de Assistência Social sobre o programa Bolsa Família a responsável por repassar as informações foi a Gestora Municipal do Programa Bolsa Família, Maria Ziani Hoffman Miottello. A realização da entrevista se deu por muitas vezes acontecer “confusão” de como funciona o programa social. Com isso queremos apresentar um pouco da estrutura do programa e como funciona. Acompanhe nos próximos dias a entrevista completa.


domingo, 25 de janeiro de 2015

Quase 400 crianças e bebês retornam às creches em período integral

por Davi Carrer 
- cocalcomunitario@gmail.com

Em Cocal do Sul, todas as instituições de educação infantil que passam a atender em período integral já retomaram as atividades. Desde o dia 19, os pais juntamente com os professores estão acompanhando a adaptação dos pequenos. As instituições também receberam a visita do Prefeito Ademir Magagnin, da vice, Cirlene Gonçalves Scarpato e da Secretária de Educação, Raquel Romagna Quarezemin.

Quase 400 crianças e bebês foram recebidas nas creches do município e todos os ambientes receberam melhorias. As turmas de período parcial da educação infantil retornarão as atividades juntamente com o ensino fundamental, no dia 18 de fevereiro, conforme calendário escolar da rede municipal de ensino.

Segundo a Secretária de Educação, Raquel Quarezemin quase todas as instituições estão passando por pequenas ou grandes reformas. “Realizamos ainda a higienização e dedetização em todas as repartições. As diretoras, professoras e estagiárias também tiveram um momento de reflexão sobre a prática pedagógica na educação infantil com a coordenadora Janaina Zacaron. Além disso, as merendeiras e serventes também receberam orientações sobre como manipular alimentos e materiais de limpeza pela nutricionista Ana Paula Canuto” ressalta.

(Colaboração texto/foto: Maria Luiza Da Rolt – Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal de Cocal do Sul)
 

sábado, 24 de janeiro de 2015

Inscrições abertas para o Programa Residência Multiprofissional, com bolsa de estudo

por Davi Carrer
 - cocalcomunitario@gmail.com

As inscrições para o Programa Residência Multiprofissional em Atenção Básica/Saúde da Família e em Saúde Coletiva da Unesc já estão abertas. Os interessados em cursar as especializações, com direito a bolsa de estudo por dois anos dos ministérios da Saúde e da Educação, devem procurar a Universidade até o dia 28 de janeiro.

“A residência é uma grande oportunidade para especializar-se na área da saúde. Trata-se de um programa reconhecido nacionalmente e que tem efetuado fortes contribuições para os cenários de práticas. A tendência atual é que cada vez mais, os serviços de saúde valorizem a residência como critério para atuação profissional na saúde coletiva. Além disso, o residente terá também uma importante formação na área da pesquisa e da elaboração de projetos de extensão comunitária”, comenta a pró-reitora de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, Luciane Ceretta.

São 21 vagas distribuídas nas áreas de Educação Física (Bacharelado), Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Nutrição, Odontologia e Psicologia.

As inscrições ocorrem na UNA SAU (Unidade Acadêmica de Ciências da Saúde), na sala 12 do Bloco S, das 13h30 às 17 horas. O candidato só poderá concorrer a uma única área e vaga.

Atendimento

O Programa conta com a atuação de profissionais nas Unidades Básicas de Saúde de Criciúma, por intermédio do ESF (Estratégia Saúde da Família), e realiza atendimento nas Unidades de Saúde de Criciúma e em outros pontos do sistema de saúde, como as clínicas integradas da Unesc, as Unidades de Saúde 24 horas e a rede hospitalar local e regional. Os residentes atuarão também na área de pesquisa em saúde coletiva e na elaboração de projetos de intervenção/extensão comunitária.

Saiba mais

A listagem com a homologação das inscrições será publicada a partir de 2 de fevereiro de 2015 no site da Unesc.

Mais informações pelo telefone (48) 3431-2671.


(Colaboração: Secom Unesc)